jusbrasil.com.br
20 de Janeiro de 2019

Movimento dos Advogados Trabalhistas Independentes consegue liminar e suspende posse de Cristiane Brasil

O Movimento dos Advogados Trabalhistas Independentes conseguiu uma liminar na Justiça Federal, barrando a posse de Cristiane Brasil no Ministério do Trabalho, prevista para esta terça (09).

Fátima Miranda, Estudante de Direito
Publicado por Fátima Miranda
ano passado

Na foto, os advogados do movimento que assinaram ou são parte na ação: Marcos Maleson, André Porto Romero (diretor do Sindicato), Marcos Luiz e Andre Figueiredo Romero

Do Comtexto Jurídico

O juiz Leonardo da Costa Couceiro, da 4ª Vara Federal de Niterói, suspendeu na noite desta segunda-feira (08) a posse da deputada federal Cristiane Brasil (PTB-RJ) para o Ministério do Trabalho.

A liminar foi concedida a partir de ação popular do Movimento Independente de Advogados Trabalhistas.

Integrantes do movimento entraram com várias ações contra a nomeação da deputada em comarcas do estado.

O Sindicato dos Advogados-RJ apoia a iniciativa e tem diversos integrantes de sua diretoria assinando as ações.

A parlamentar foi processada na Justiça do Trabalho por dois ex-motoristas e descumpriu a legislação básica.

Segundo O Globo, ela chegou a pedir ao presidente Temer para antecipar a sua posse, marcada para esta terça (9), temendo, exatamente, ser impedida pela Justiça de ser empossada.

Leia neste link a decisão do juiz Leonardo Couceiro.

ComtextoJuridico

11 Comentários

Faça um comentário construtivo para esse documento.

Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)

Esses Advogados, podemos dizer, são uns heróis (uma vez que a Sra. candidata à Ministra recorreu, mas perdeu no TRF-2).

O problema é se chegar o STF... continuar lendo

Pobre do povo que tanto carece de heróis... continuar lendo

Rodrigo Shimidt, talvez tenha eu usado o termo errado, referindo-em aos corajosos advogados que intervieram sobre a nomeação e não ao juiz, mesmo porque conheço o de "poder maior", quando ele ainda não era nem secretário da segurança pública SP, e também conheço muito bem essa estória do "toma lá dá cá", "barganha", "favorecimento", etc., e foi isso, com toda certeza o que houve com relação a nomeação dessa malfadada pretensa ministra... continuar lendo

Felizmente alguém com poder maior teria que fazer algo, pois, segundo consta, entre essa pretensa ministra e o Marcola não há muita diferença em questões de moralidade. Devido ao "toma lá, dá cá", o "espetáculo" neste País continua; somos os palhaços... continuar lendo

"Poder maior"? Não existe e nem deve existir hierarquia entre o presidente (ainda que golpista) e um juiz, órgão do Poder Judiciário!
Em outras palavras, isso é ativismo judicial e não deveríamos homenagear sob hipótese alguma! continuar lendo

39?
40?
41?
40000?
Nem o próprio Ali Babá sabe mais dessa conta. continuar lendo